Disciplina - detalhe

LCF0106 - Introdução à Engenharia Florestal


Disciplina de Graduação

Objetivo
1- Orientar o aluno sobre as diversas áreas de atuação e locais de trabalho do Engenheiro Florestal. 2- Informar o aluno sobre sua Escola e seu Currículo. 3- Iniciar os alunos nas atividades científicas. 4- Caracterizar a importância do setor florestal brasileiro. 5- Introdução ao ecossistema florestal. 6- Dar noções sobre Silvicultura e múltiplos usos da floresta.

Programa resumido
A Engenharia Florestal como profissão.

O ecossistema florestal.

A situação florestal brasileira.

Mensuração e gerenciamento de florestas.

O conceito de Manejo Florestal

Seleção de espécies florestais

Múltiplos usos da madeira

Os diversos campos de atuação do Engenheiro Florestal

Programa
1. A Engenharia Florestal como Profissão:

1.1. Posição da Engenharia Florestal na Agricultura
1.2. Principais atribuições da Engenharia Florestal
1.3. Importância da Engenharia Florestal no desenvolvimento do país
1.4. Importância da Engenharia Florestal na conservação da natureza
1.5. O Engenheiro Florestal como profissional.



2. A Escola na formação do Engenheiro Florestal:

2.1. As escolas de Engenharia no Brasil e no Mundo
2.2. A USP e a Universidade Brasileira
2.3. A ESALQ na USP
2.4. Funções da USP e da ESALQ na sociedade brasileira
2.5. História da ESALQ
2.6. O Curso de Engenharia Florestal na ESALQ
2.7. O Departamento de Ciências Florestais no Curso de Engenharia Florestal da USP
2.8. Organograma da USP e da ESALQ.


3. O Departamento de Ciências Florestais na formação do
Engenheiro Florestal:

3.1. A área de Silvicultura
3.2. A área de Melhoramento e Produção de Sementes
Florestais
3.3. A área da Ecologia Aplicada
3.4. A área de Planejamento Florestal
3.5. A área de Tecnologia e Industrialização da Madeira
3.6. Ensino de Graduação e Pós-Graduação
3.7. As atividades de pesquisa
3.8. A extensão de serviços à comunidade.


















4. Os campos profissionais do Engenheiro Florestal:

4.1. Manejo de florestas naturais
4.2. Florestamento e reflorestamento
4.3. Manejo de florestas implantadas
4.4. Mecanização florestal
4.5. Ecologia florestal
4.6. Manejo de fauna silvestre
4.7. Hidrologia florestal
4.8. Manejo de áreas silvestres
4.9. Biometria e inventário florestal
4.10.Economia, Administração e Planejamento Florestal
4.11.Proteção florestal (patologia, entomologia, prevenção e combate a incêndios florestais)
4.12.Melhoramento e produção de sementes florestais
4.13.Tecnologia da celulose e papel
4.14. Tecnologia da madeira para produção de energia
4.15. Tecnologia de processamento mecânico
4.16. Pesquisa pura e aplicada na área florestal
4.17. Ensino superior e profissionalizante na área florestal.

5. O Currículo da Engenharia Florestal na USP:

5.1. O currículo mínimo da Engenharia Florestal
5.2. O significado das disciplinas essenciais e optativas
5.3. As disciplinas essenciais do Curso de Engenharia Florestal na USP
5.4. As disciplinas optativas do Curso de Engenharia Florestal na USP
5.5. Planejamento de currículo escolar individual.


6. A situação florestal brasileira e a importância da silvicultura intensiva:

6.1. Produção e consumo de madeira por setores
6.2. Quantificação e distribuição das reservas florestais
6.3. Silvicultura tradicional x Silvicultura intensiva


7. Floresta:

7.1. Estrutura
7.2. Funcionamento
7.3. Classificação


8. Escolha de espécies arbóreas para formação de maciços florestais:

8.1. Espécie nativa e espécie exótica
8.2. Escolha das espécies para plantio
8.3. Condições climáticas e edáficas




9. Mensuração e gerenciamento de florestas:

9.1. Determinação da idade ótima de corte
9.2. Cubagem de árvores abatidas
9.3. Volume de árvores em pé
9.4. Conceitos básicos em Inventário Florestal


10. Introdução ao Manejo Florestal:

10.1. Conceitos
10.2. Técnicas de manejo

Bibliografia
COUTO, H.T.Z. et alii. 1989. Mensuração e gerenciamento de pequenas florestas. DOCUMENTOS FLORESTAIS, Piracicaba (5):1-37, nov.

FERREIRA, M. 1989. A situação florestal brasileira e o papel da silvicultura intensiva. DOCUMENTOS FLORESTAIS, Piracicaba (2):1-9, set.

FERREIRA, M. 1990. Escolha de espécies arbóreas para formação de maciços florestais. DOCUMENTOS FLORESTAIS, Piracicaba (7):1-15, jan.

LIMA, W.P. 1986. Princípios de Hidrologia Florestal. IPEF/LCF/ESALQ, Piracicaba. 250p.

POGGIANI, F. 1989. Estrutura, funcionamento e classificação das florestas. DOCUMENTOS FLORESTAIS, Piracicaba (3):1-14, set.

SIMÕES, J.W., et alii. 1981. Formação, manejo e exploração de florestas com espécies de rápido crescimento, Brasília, IBDF, 131Pp.