Disciplina - detalhe

LCF0693 - Sistemas Agroflorestais


Disciplina de Graduação

Objetivo
Avaliar o conceito do uso da terra por meio da compreensão dos sistemas agroflorestais (SAFs) e desenvolver a habilidade e capacidade do aluno para: 1. diagnosticar as limitações apresentadas por um sistema; 2. determinar os mecanismos de intervenção e; 3. viabilizar a sua implementação. O conhecimento adquirido deverá permitir a atuação do profissional nas diferentes escalas de um sistema agroflorestal - de seus componentes, na escala de propriedade rural, de paisagem e regional. Para tal, devem contar com conhecimento nas interações biofísicas e fisiológicas entre os componentes (árvores, culturas, animais) e econômicas e sociais, e possuir habilidade para interligar disciplinas de diferentes áreas do conhecimento como botânica, solos e nutrição, fisiologia vegetal e animal, agrometeorologia e economia. Ao final do curso os alunos deverão ser capazes de atuar em sistemas agroflorestais nos domínios da extensão rural, da pesquisa biológica e sociológica, e do planejamento.

Programa resumido
Haverá uma breve apresentação das definições e conceitos envolvidos no estudo de SAFs e recapitulação dos princípios básicos de ecologia e socioeconomia envolvidos na avaliação de SAFs e suas funções. Serão apresentados os conhecimentos básicos necessários para o manejo de SAFs discutindo suas particularidades de pesquisa e extensão rural e os princípios de etnoecologia e dos processos participativos.

Programa
3.1. Introdução ao estudo de sistemas agroflorestais. O enfoque de análise de sistemas. Definição e classificação de SAF. Sistemas agroflorestais tradicionais e desenvolvimento de sistemas alternativos de uso da terra envolvendo árvores. Os SAFs como alternativa para a promoção do desenvolvimento sustentável. As árvores mais propícias para sistemas agroflorestais nas diferentes condições ambientais e socioeconômicas. Funções dos sistemas agroflorestais: ecológicas, econômicas e sociais. Particularidades das condições tropicais (de superúmidas até áridas), sub-temperadas e temperadas; 3.2. Diagnose e o desenho de sistemas agroflorestais. Avaliação de terras e climas e introdução à analise de sistemas de uso da terra baseados em zoneamento ecológico. Identificação de limitações e oportunidades para os sistemas agroflorestais. Seleção do SAF com base na função: aumento de produtividade (o conceito de captura de recursos e uso de fatores de produção), proteção do solo contra a degradação e mananciais, sombreamento e proteção de plantas e animais consorciados, diversificação da receita e de produtos gerados (lenha, banco de proteínas para animais, madeira, caça, etc.), estética e enriquecimento da paisagem (eco-turismo e turismo rural), preservação da biodiversidade e da vida silvestre (diversidade e resiliêcia em sistemas agroecológicos, entorno e corredores para áreas de preservação). Determinação de intervenções de manejo, pesquisa e planejamento; 3.3. Principais processos envolvidos em sistemas agroflorestais. Princípios de captura e uso dos recursos naturais, complementaridade e competição no uso de água, luz e nutrientes, crescimento e adaptação aos diferentes ambientes e manejo, a ecologia da intercalação de culturas e animais. Modelagem e simulação de SAFS; 3.4. O manejo de sistemas agroflorestais. O plantio e condução das árvores, manejo dos subsistemas agrícolas e pecuários, crescimento e produtividades do sistema e de seus constituintes, alterações morfológicas e fenológicas das plantas consorciadas, podas, plantios e colheita em SAF, adaptações tecnológicas e uso de mão de obra. Estudos de casos; 3.5. A experimentação em sistemas agroflorestais. O processo de desenvolvimento tecnológico. Conceituação sobre pesquisa participativa. Identificação de problemas a serem pesquisados: elaboração de questões científicas e definição de hipóteses e objetivos de pesquisa. Planejamento e análise de pesquisas em estações experimentais e junto a produtores rurais. Formulação dos tratamentos, suas combinações e escolha dos desenhos experimentais. O uso de sistemas já implantados em propriedades rurais para definição de tecnologias; 3.6. Avaliação de sistemas agroflorestais. Avaliação do sistema produtivo com base em: ecologia, biologia, economia, sociologia, agronomia, impacto e conservação ambiental. Definição de escalas, temporal e espacial, de avaliação. Ponderação dos componentes dos SAFs, práticas envolvidas e seus impactos dentro e fora do sistema. Comparação dos SAFs com outros sistemas de uso da terra. Valoração da função de proteção dos sub-componentes agrícolas e pecuários, do ambiente e da estética da paisagem. Os produtos socioambientalmente apropriados, sua certificação e valorização; 3.7. A extensão com sistemas agroflorestais. SAF como uma inovação tecnológica e como um processo de uso tradicional da terra. Nichos potencialmente favoráveis para SAFs. Treinamento de técnicos locais. Envolvimento da comunidade. Técnicas de comunicação e extensão no meio rural; 3.8 – Etnoecologia e processos participativos. A importância do conhecimento de populações tradicionais. Sistemas de manejo tradicionais. Processos participativos: importância e métodos. Estudos de caso.

Bibliografia
Bertalot, M.J.A.; Mendoza, E. Sistemas agroflorestais como alternativas de manejo para sistemas agrícolas. Botucatu. ABD. 2000. 23 p. il.
Buck, L.E.; Lassoie, J.P.; Fernandes, E.C.M. (Eds.) Agroforestry in sustainable agricultural systems. Boca Raton, Fl. CRC Press. 1999. 416 p. il.
Buck, L.E.; Lassoie, J.P.; Fernandes, E.C.M. Agroforestry in sustainable agricultural systems. Boca Raton: CRC Press, 1998. 416 p.
Collins, W.W.; Qualset, C.O. (Eds.) Biodiversity in agroecosystems. Boca Raton. CRC Press. 1999. 334 p. il.
Cordeiro, L.E. Bosques agroflorestais em assentamentos de reforma agrária. Piracicaba: ESALQ / Departamento de Economia, Administração e Sociologia. 1999. 82 p.
Current, D.; Lutz, E. Scherr, S. Costs, benefits, and farmer adoption of agroforestry project experience in Central America and the Caribbean. Washington, D.C. World Bank 1995. 212 p.
Dubois, J.C.L. Manual agroflorestal para a Amazônia. Rio de Janeiro: REBRAF, 1996. 248 p.
Engel, V.L. Introdução aos sistemas agroflorestais. Botucatu: UNESP. Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais, 1999. 70 p.
Evans, J. Plantation forestry in the tropics: tree planting for industrial, social, environmental, and agroforestry purposes. 2° ed. Oxford: Clarendon Press, 1992. 419 p.
Gholz, H.L. (Ed.) Agroforestry realities, possibilities, and potentials. Dordrecht. Boston M. Nijhoff in cooperation with ICRAF. Hingham, MA, USA. Kluwer Academic Publishers. 1987. 227 p. il.
Gordon, A.M.; Newman, S.M. Temperate agroforestry systems. Wallingford, Inglaterra. CAB International. 1997. 269 p. il.
Huxley, P.A. Plant research and agroforestry. Nairobi: ICRAF, 1983. 617 p.
Krishnamurthy, L. ; Ávila, M. Agroforestéria básica. México Red de Formación Ambiental. 1999. PNUMA, Oficina Regional para América Latina y el Caribe. 340 p. il.
Macedo, R.L.G. Princípios básicos para o manejo sustentável de sistemas agroflorestais. Lavras: UFLA, 2000. 157 p.
May, P.H.; Trovatto, C.M.M.; Deitenbach, A.; Floriani, G.S.; Dubois, J.C.L.; Vivan, J.L. Manual agroflorestal para a Mata Atlântica. Brasília: Ministério de Desenvolvimento Agrário. Secretaria de Agricultura Familiar, 2008. 196 p.
Montagnini, F. Sistemas agroforestales: principios y aplicaciones en los tropicos. 2°ed. São José: OET, 1992. 622 p.
Nair, P.K.R. An introduction to agroforestry. Dordrecht. Boston. Kluwer Academic Publishers in cooperation with International Centre for Research in Agroforestry – ICRAF. 1993. 499 p. il.
Ong, C.K.; Huxley, P. (Eds.) Tree-crop interactions: a physiological approach. Wallingford, Inglaterra, CAB International, 1996. 386 p.
Porro, R. (Ed.). Alternativa agroflorestal na Amazônia em transformação. 1° ed. Brasília/DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. 825 p.
Prinsley, R.T. (Ed.) Agroforestry for sustainable production: economic implications London Commonwealth Science Council. 1990. 417 p. il.
Schroth, G. [et al.] (Eds.) Agroforestry and biodiversity conservation in tropical landscapes. Washington. Island Press. 2004. xii, 523 p. il.
Smith, N.; Dubois, J.; Current, D.; Lutz, E.; Clement, C. Experiências agroflorestais na Amazônia Brasileira: restrições e oportunidades. Brasília: PPPFTB, 1998. 146 p.
Young, A. Agroforestry for soil conservation. CAB International, Wallingford, Inglaterra, 1989. 276 p.