Disciplina - detalhe

LCF1680 - Manejo e Regeneração de Povoamentos Florestais


Disciplina de Graduação

Objetivo
- Avaliar a capacidade produtiva das principais espécies florestais em função do meio onde está estabelecida a floresta. Uso múltiplo. - Estudar os diferentes métodos de condução da floresta, implantada ou artificial, de acordo com a finalidade e visando maximizar a produtividade e a rentabilidade. - Determinação do sistema mais econômico de desrama e de desbaste aplicável à floresta e que possibilite o máximo de qualidade e utilização da madeira. - Determinação do momento ideal de corte, do método mais interessante de exploração e do sistema de regeneração visando rendimento sustentado. - Estudo de técnicas de prevenção e combate aos incêndios florestais. 3. PROGRAMA RESUMIDO : Discute, a partir da floresta já formada, todas as técnicas de condução, utilização e regeneração da floresta. Baseia-se nos princípios do uso múltiplo da floresta, através da diversificação de produtos e benefícios, e no rendimento sustentado de madeira e outros produtos para o atendimento contínuo do mercado consumidor. Planos de manejo em rotações curtas, para produção de madeira fina e, em rotações longas, para produção de madeira grossa para usos mais nobres e outros benefícios da floresta. Técnicas de combate aos incêndios.

Programa resumido

Discute, a partir da floresta já formada, todas as técnicas de condução, utilização e regeneração da floresta. Baseia-se nos princípios do uso múltiplo da floresta, através da diversificação de produtos e benefícios, e no rendimento sustentado de madeira e outros produtos para o atendimento contínuo do mercado consumidor. Planos de manejo em rotações curtas, para produção de madeira fina e, em rotações longas, para produção de madeira grossa para usos mais nobres e outros benefícios da floresta. Técnicas de combate aos incêndios.

Programa
1. Manejo Florestal - conceito, objetivos, avaliação da possibilidade de produção e índice de qualidade de um determinado meio. Uso múltiplo e rendimento sustentado. Planos de manejo. 2.Desrama natural e artificial : fatores que a regulam. Forma da árvore, qualidade da madeira, métodos de desrama artificial, programação e execução. 3. Desbastes - conceitos: objetivos, métodos, efeitos e exeqüibilidade. Intensidade e freqüência dos desbastes. Ferramentas, programação, execução e custos dos desbastes. Estagnação do crescimento e determinação da necessidade dos desbastes. Idade do povoamento, dimensões das árvores e qualidade e aplicação da madeira resultante do desbastes. 4. Programação e execução dos desbastes. Aplicação em povoamentos artificiais. Vantagens e desvantagens da rotação longa. 5. Sistemas de manejo, exploração e regeneração para as grandes culturas florestais em conformidade com a finalidade da cultura. Rotação curta e longa. 6. Exploração: cálculo da possibilidade, ordenamento, planejamento e execução, obedecendo ao princípio de rendimento sustentado. Corte raso: condições para a sua aplicação, época e altura de corte, vantagens e desvantagens. 7. Condução de regeneração natural por brotação de touças: fatores que afetam, desbrota, adubação, controle da formiga cortadeira. Interplantio. 8.Reforma de povoamentos florestais : decisão econômica, substituição do material genético, preparo do solo, re- alinhamento, retalhonamento, plantio, tratos culturais, reposição da fertilidade. 9. Uso de fogo controlado. Prevenção e combate a incêndio. 10. Trabalhos extra-classes de inventário, implantação e manejo florestal.

Bibliografia
ALVES,A.A.M. Técnicas de produção florestal. Lisboa, INIC, 1988. 333p.
CARVALHO,P.E.R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais e potencialidades e uso da madeira. Colombo, EMBRAPA/CNPF, 1994. 640p.
ELDRIDGE,K. et al. Eucalypt domestication and breeding. Oxford, Clarendon Press, 1994. 288p.
EMBRAPA/CNPF Zoneamento ecológico para plantios florestais no Estado do Paraná. Brasília, EMBRAPA-DDT, 1986. 89p. (EMBRAPA, CNPF, Documentos, 17)
EVANS,J. Plantation forestry in the tropics. Oxford, Clarendon Press, 1992. 403p.
FINGER,C.A.G. Fundamentos de biometria florestal. Santa Maria, UFSM, 1992. 269p.
GADANHA Jr,C.D. Máquinas e implementos agrícolas do Brasil. São Paulo, NSI/ CIENTEC/ IPT, 1991. 468p.
GOLFARI,L. Zoneamento ecológico do Estado de Minas Gerais para reflorestamento. Belo Horizonte, PFRC, 1975. 65p. (PRODEPEF, Série Técnica , 3)
GOLFARI,L. Zoneamento ecológico esquemático para reflorestamento no Brasil. Belo Horizonte, PFRC, 1978. 66p. (PRODEPEF, Série Técnica , 11)
LAMPRECHT,H. Silvicultura nos trópicos. Eschborn, GTZ, 1990. 343p.
LIMA,W.P. Impacto ambiental do eucalipto. São Paulo, EDUSP, 1993. 301p.
MATTHEWS,J.D. Silvicultural systems. Oxford, Clarendon Press, 1994. 283p.
PANCEL,L.Tropical forestry handbook. New York,Springer-Verlag, 1993. 1738p. V1/V2
SCHNEIDER,P.R. Introdução ao manejo florestal. Santa Maria, UFSM, 1993. 348p.
SIMÕES,J.W. Formação, manejo e exploração de florestas com espécies de rápido crescimento. IBDF, Brasília, 1981. 131p.